Feliz dia Mundial do Rock…. Jeito besta de comemorar o momento, não é? Ainda mais hoje que a data começa a perder um pouco mais de relevância para as gerações mais jovens, sem contar todo o período que estamos vivendo. Ainda assim, vale e muito a pena comemorar o dia.

Celebrar o dia mundial do rock é mais do que uma data simbólica de toda uma luta e cuidado com o planeta como um todo. Já contamos essa história aqui na Beard, vale a pena dar uma conferida. Aproveitar e relembrar esse dia é trazer algumas características importantes do gênero que hoje estão diluídas em tantos outros.

Sim, eu sei. O Rock já não é o gênero mais popular nos tempos atuais. Menos ainda o mais rebelde. E justamente por isso é uma excelente oportunidade para você deixar de ser um velho ranzinza e usar essa ocasião para rejuvenescer um pouco.

O Dia Mundial do Rock hoje em dia

O Dia Mundial do Rock tem uma importância maior do que o próprio gênero, como já vimos por aqui. O “Dia em que a música mudou o mundo” é um título importante de atrelar ao gênero, pois o papel que diversas bandas tiveram no movimento que levou ao Live Aid foi crucial para seus sucesso.

Tanto que, até hoje, não param de ter festivais e movimentos bem parecidos, visando não apenas a boa música, mas ter esse papel importante nas vidas de muitas pessoas. Só que tem um ponto interessante aí, que certamente teremos os mais sentidos com o rumo que o rock tomou hoje em dia.

Para as gerações mais novas, de pelo menos uns 15 anos pra cá, o Dia Mundial do Rock não tem o mesmo peso de antigamente. Claro que não deixa de ser um dia importante por vários motivos, mas estamos naquela máxima: “se eu não curto rock, por que eu me importaria?”

Só para constar um ponto importante, jovem. O rock não ficou completamente de lado, ao contrário da impressão que se tem hoje em dia. Assim como alguns outros gêneros, ele passou a se misturar bastante com o pop, com o eletrônico e outros tantos gêneros.

E aí que estamos nessa “armadilha” que a velha guarda se morde um pouco (se é com razão ou não, deixo ao seu bom gosto). O rock, desde seus primórdios, sempre foi um estilo de música rebelde. Que questionava o sistema, apontava em feridas da sociedade, ou de seus próprios autores.

Não dá pra negar que isso se perdeu um pouco no gênero. Dá para encontrar bastante desses questionamentos sobre a vida e a parte ruim dela em gêneros como o Hip Hop brasileiro, mas no rock a postura é muito mais contemplativa, por assim dizer.

Para com essa p@#% de o “Rock morreu”!

Você com certeza já deve ter escutado o “Ok, boomer”, termo voltado para aqueles caras experientes e rabugentos que gostam de falar sobre como “tudo no seu tempo era bem melhor”. Como ir numa locadora e ficar 15 dias esperando pra alugar um lançamento, ou viver com o c* na mão sobre governantes malucos buscando motivos para jogar bombas atômicas uns nos outros…. Sacou a ideia, agora?

O rock não morreu, jovem. O fato dele não estar em voga na mídia, como já falamos por aqui também, não mata um gênero, só encontra pares cada vez mais nichados, o que é bem comum hoje em dia.

Tem banda que se sustenta de forma relativamente bem apenas com uma boa presença online, com suas redes sociais e canais no youtube abastecidos com conteúdo. E é nesse lado que quero chegar, jovem: o rock sempre foi rebelde e questionador. Se o sistema não se preocupa com ele, as possibilidades de ser cada vez mais único, e por fim, questionador, são ainda maiores.

Então fique tranquilo com essa coisa de não estar nos holofotes. Se pegar a história que precedeu vários movimentos dentro do rock, tudo começou com uma cena local bem sólida, que nunca se preocupou tanto com o mainstream.

Curtindo o melhor do gênero dentro de casa

Por fim, além de todos esses fatores, estamos em um período que ficar em casa é uma necessidade e segurança fundamentais. E sei que vocês estão com saudades do headbang nos palcos espalhados por aí, meus filhos, então que tal aproveitar o momento para trazer justamente alguns dos momentos memoráveis do rock?

Do show do Audioslave em Cuba, até a última reunião entre Roger Waters e David Gilmour depois de décadas no Live Earth. De conhecer tudo o que levou a Woodstock, até saber que o Odair José é um ícone rock de sua geração, tem muita coisa que dá para conhecer, e quiçá mostrar para seus amigos mais jovens que se interessaram pelo gênero.

E mesmo as velhas gerações estão espertas com essa questão. Quem cresceu jogando Tony Hawk Pro Skater vai lembrar do Goldfinger, e dar uma parada com a apresentação dos caras, cada um em suas casas, com Superman. Isso é só um dos vários exemplos nos quais você pode curtir o Dia Mundial do Rock.

Não dá pra ter certeza sobre como será o rock nos próximos anos ou décadas. Hoje em dia, o gênero é mais contido em seus nichos, com muito experimentalismo, mas sem ganhar a grande mídia. Tem quem ache isso bom, tem que ache isso “uma merda”, mas o fato é o seguinte, jovem: o rock está muito bem por aí. E você pode curtir tão bem como nos anos anteriores.

Curta sua banda, ou bandas favoritas, e até o próximo Dia Mundial do Rock! E não deixe de olhar tudo o que precisa para investir no estilo

Deixe sua pergunta ou opinião

Ad Blocker Detected

Our website is made possible by displaying online advertisements to our visitors. Please consider supporting us by disabling your ad blocker.

Refresh