Avalie este post

Se o processo de mineração de criptomoedas já é complexo, diferenciar Prova de Trabalho e Prova de Participação pode complicar ainda mais as coisas. Cada rede utiliza um tipo de algoritmo em sua mineração. Assim como o Bitcoin utiliza a Prova de Trabalho (PoW), muitas criptomoedas utilizam o chamado Proof of Stake (PoS). O nome, traduzido ao pé da letra, significa Prova de Montante, mas o algoritmo é mais conhecido como Prova de Participação.

E, de certa forma, este nome é mais adequado a como funciona este processo. Pois se a mineração via PoW exige trabalho para ser executada, na mineração PoS é preciso provar a participação dentro da rede. E como isso é feito, bem como todo o processo específico para descobrir os blocos, é o que iremos conferir agora. Veremos os seguintes pontos:

  • A história do PoS;
  • O que é Proof of Stake;
  • Vantagens e desvantagens do algoritmo;
  • Segurança e criptomoedas que utilizam PoS.

O que é Proof of Stake?

Proof of Stake, ou, como já vimos, Prova de Participação, é um dos muitos algoritmos para mineração de criptomoedas. Esse tipo de protocolo foi mencionado pela primeira vez em 11 de julho de 2011. Na época, um usuário do fórum Bitcointalk, intitulado QuantumMechanic, utilizou o termo pela primeira vez ao propor uma alternativa ao algoritmo PoW.

Na ocasião, o usuário sugeriu que o Bitcoin poderia fazer essa mudança. Ou seja, adotar a mineração por meio de PoS. “Estou me perguntando se, à medida que os Bitcoins se tornam mais amplamente distribuídos, se uma transição de um sistema baseado em prova de trabalho para uma prova de participação pode acontecer”, disse ele. 

Para QuantumMechanic, o sistema de voto poderia mudar. Em vez dos recursos de computação, cada voto seria ponderado pelo número de Bitcoins que os usuários possuíssem. Para isso, eles deveriam utilizar suas chaves privadascomprovando a sua participação (daí o nome) com a quantidade de Bitcoins propostos.

Diferença entre PoW e PoS
Diferença entre PoW e PoS

Contudo, o algoritmo nunca sequer foi cogitado pelos desenvolvedores do Bitcoin. Ainda assim, a proposta de 2011 foi vista como sendo um modelo mais eficiente para a mineração de criptomoedas. A Prova de Participação seria mais eficiente, desperdiçando menos energia e dando igual poder de participação para os usuários da rede.

O que é Staking? 

O staking é uma forma dos usuários conseguirem aumentar a quantia de suas criptomoedas por meio de uma carteira digital ou de uma exchange que ofereça tal serviço. Isso acontece apenas se o usuário mantiver as criptomoedas bloqueadas em uma rede para receber recompensas, é uma alternativa à mineração que requer menos recursos. 

Na Binance, o usuário consegue realizar staking utilizando a carteira Trust Wallet, e por meio da Binance Staking, que permite ganhar recompensas de uma maneira muito mais simples, mantendo as moedas na corretora. 

Proof of Work (Prova de Trabalho)

O algoritmo proof of work garante a segurança da rede blockchain pela mineração de criptomoedas, o processo que exige grande poder computacional, onde os mineradores trabalham para encontrar a solução dos cálculos de probabilidades para receber a recompensa. 

Esse consenso é utilizado no Bitcoin (BTC), Litecoin (LTC) e Monero (XMR). Sendo considerado um dos mais caros, pois depende de um grande poder computacional para ser realizado. Mesmo utilizando fontes de energia renováveis, ainda é necessário muita energia para realizar o processo.

Como funciona o staking?

A partir do processo do proof of work, surgiu uma alternativa que não gasta tanta energia e que os investidores são recompensados assim como na mineração do Bitcoin.

O mecanismo de consenso proof of stake permite que os usuários usem suas criptomoedas para participar da rede e receberem recompensas. Quanto maior for a quantidade de criptomoedas, mais transações será possível validar e mais recompensa poderá adquirir. 

O processo não exige grande poder computacional para realizar as validações. Para ser validador de uma rede blockchain é necessário bloquear uma determinada quantia da moeda como participação, realizando, então, o processo de staking. 

Binance

Porém, caso não tenha muitas criptomoedas para fazer para do processo de staking, é possível fazer o pool de staking, em que o usuário consegue receber recompensas independentemente da quantidade de moedas que possui. Mas, para isso, é necessário ter uma carteira de criptomoedas que permita o processo. 

O que é pool de Staking 

O pool de staking é um grupo de holders da moeda que unem seus recursos para aumentar as chances de validação do bloco e receber a recompensa. É uma opção para quem não possui moedas suficientes para realizar o staking. 


A ideia é reunir os holders e combinar os seus recursos e seu poder de staking e, então, compartilharem as recompensas de acordo com as contribuições para o pool, que é o valor total arrecadado.

Os pools podem proporcionar uma flexibilidade adicional para os stakers individuais. Entretanto, o valor do stake deve ser bloqueado por um tempo fixo, além de possuir uma data definida para os saques, sendo decidida pelo protocolo. 

Mesmo assim, para participar do pool de staking é necessário ainda ter um valor mínimo, que é definido pela rede. Isso desencoraja comportamentos maliciosos, ampliando a segurança para todos que participarem. 

Como são calculadas as recompensas de staking? 

O cálculo de recompensas de staking depende muito de cada rede blockchain, pois cada uma possui um método diferente para calcular as recompensas. Algumas ainda são ajustadas de blocos em blocos levando em consideração alguns fatores: 

  • Quantidade de moedas que o usuário possui para staking
  • Tempo que o usuário está fazendo staking
  • Total de moedas em stake na rede
  • Taxa de inflação
  • Entre outros

Em outras redes, as recompensas podem ser determinadas também com uma porcentagem fixa, distribuídas aos validadores como uma compensação pela inflação. Fazendo com que os usuários gastem suas moedas em vez de armazenar, o que aumenta a utilidade como moeda. 

Além disso, é possível realizar staking da criptomoeda na Binance, onde o usuário consegue também ter acesso aos pools de staking. A Binance não cobra taxas e o usuário pode aproveitar as recompensas. 

Basta manter as moedas Proof of Stake na Binance, a parte técnica será feita pela exchange e a recompensa de staking costuma ser distribuída no início de cada mês.

Como funciona a mineração PoS?

Assim como a mineração PoW, a mineração PoS funciona como uma espécie de loteria. Ela dispensa o uso de eletricidade e também a necessidade de possuir grandes máquinas. Na PoS, o processo não funciona por meio dessas máquinas, mas sim pelos nós da rede. Assim, os nós funcionam como validadores dos blocos, pois não existe a figura do minerador.

Primeira citação ao método de mineração PoS. Fonte: Bitcointalk
Primeira citação ao método de mineração PoS. Fonte: Bitcointalk

Como no PoW, os nós entram numa competição para decidir quem vai minerar o bloco seguinte. Essa competição é algo que varia bastante entre cada criptomoeda. Isso ocorre porque os algoritmos PoS determinam os critérios baseados em uma série de variáveis. Eis alguns exemplos de critérios que são adotados na escolha dos blocos mineradores:

  • Quantidade de criptomoedas que o usuário possui em sua carteira (participação);
  • Quanto tempo o usuário tranca essas criptomoedas;
  • Quantas criptomoedas são necessárias para validar um determinado bloco;
  • Outros fatores.

Participação via quantidade de criptomoedas possuídas

A mineração via PoS exige que o usuário possa provar que possui uma determinada quantidade de criptomoedas. Para isso, ele precisa enviar essa quantidade de criptomoedas para um endereço determinado. Com isso, as criptomoedas ficarão travadas naquele endereço, servindo como a prova da participação do usuário.


Feito isso, começa o processo de busca e validação dos blocos. Ao contrário da mineração via PoW, os blocos aqui não são criados, mas sim validados ou forjados. Cada rede que utiliza PoS determina qual é a quantidade mínima de criptomoedas necessárias para participar da mineração. 

O sistema é similar com ao PoW, que também demanda equipamentos específicos para mineração, de acordo com a força e tamanho da rede. Apesar de haver um montante mínimo, um usuário pode escolher deixar uma quantidade maior de criptomoedas travadas. Quanto maior a quantidade travada, maiores são as chances de encontrar o bloco.

No momento em que um usuário consegue forjar um bloco, o restante da rede faz a validação para verificar se o bloco é autêntico. Caso ele seja, o usuário recebe de volta as criptomoedas bloqueadas, junto com a recompensa. Na mineração PoS, essa recompensa costuma ser as taxas de transação da rede, que são adicionadas à participação principal.

Exemplo de bloco minerado via PoS na Decred. Fonte: DCRdata
Exemplo de bloco minerado via PoS na Decred. Fonte: DCRdata

Se um usuário não conseguir encontrar o bloco, suas criptomedas são desbloqueadas, mas sem os prêmios. Ele torna-se elegível para tentar encontrar o bloco seguinte. No entanto, caso haja alguma tentativa de fraude na rede, o usuário que for desonesto perderá todas as criptomoedas que deixou como participação. 

Tickets e prova de participação

Os tickets são os nomes que algumas redes dão para a quantidade de criptomoedas que precisam ser depositadas em PoS. Trata-se de uma forma de facilitar a nomenclatura do processo. Um exemplo é o da Decred, que possui os chamados tickets. Cada ticket equivale a cerca de 203 DCRs, cerca de R$ 190 mil na cotação atual.


Exemplo de ticket mínimo para mineração PoS. Fonte: decred.org
Exemplo de ticket mínimo para mineração PoS. Fonte: decred.org

Isso significa que um usuário da Decred precisa ter pelo menos 203 DCR para participar do processo de PoS. Com esse valor em mãos, ele deve bloquear esse valor por um período e tentar achar o bloco. Caso seja bem-sucedido, ele receberá de volta suas 203 DCRs (ou outro valor que investiu), mais as taxas de transação como recompensa.

Problemas com PoS

A mineração PoS surgiu para, em tese, acabar com os problemas da PoW. No entanto, ela também não está isenta de críticas. Uma delas é a alta concentração que seu modelo proporciona. Como a PoS demanda bloqueio de moedas, os críticos alegam que ela beneficia os usuários mais ricos. Afinal, quanto mais dinheiro, maiores as chances de descobrir um bloco.

Outra crítica foi exposta pelo jornalista Paul Vigna no livro The Truth Machine e diz respeito à segurança do protocolo PoS. Segundo Vigna, o PoS não demanda um grande consumo de energia e trabalho como PoW. Por isso, seria mais fácil para seus mineradores criarem novos blocos. E isso comprometeria a segurança das redes que utilizam o protocolo.

Sem os custos de consumo de eletricidade da proof of work, os invasores em um sistema de proof of stake simplesmente extrairiam vários blocos. Com isso, eles aumentariam suas chances de inserir um documento fraudulento no registro”, afirma Vigna. Este problema foi solucionado por meio da Prova de Participação Delegada (DPoS, na sigla em inglês), que também possui críticas de quem é contra sistemas centralizados.

A respeito dos supostos benefícios a quem tem mais dinheiro, as redes PoS estabelecem alguns meios de tentar mitigar isso. Esses problemas também não estão livres de críticas, mas conseguem tornar as redes menos concentradas. Algumas das soluções propostas são:

  • Escolha aleatória de blocos (Randomized Block Selection);
  • Seleção de moedas por tempo de existência na carteira do usuário (Coin Age Selection);
  • Divisão de tickets entre usuários.

Na divisão de tickets, um grupo de usuários pode se juntar para fazer a validação de forma coletiva. Assim, ao invés de uma só pessoa investir 200 unidades de uma criptomoeda, um grupo de 20 pessoas pode investir 10 moedas cada uma, formando o valor necessário. Com isso, a mineração PoS torna-se mais descentralizada e acessível.

No entanto, cada criptomoeda possui suas regras e formas de efetivar o protocolo PoS. Para isso, é importante consultar o white paper do projeto e conferir esses detalhes. No documento estão presentes os critérios para realizar PoS, quantidade de criptomoedas necessárias, tempo de alocação, etc.

Um site onde é possível acompanhar informações sobre as redes PoS é o Staking Rewards. Ele mostra informações como o valor mínimo para mineração PoS em cada criptomoeda, taxas de juros pagas, qual a porcentagem de criptomoedas que está alocada em PoS, etc. É uma excelente ferramenta para quem está começando e quer lucrar com PoS.

Segurança da PoS

Tela principal do Staking Rewards
Tela principal do Staking Rewards

Fraudes no sistema PoS também podem ocorrer. Um dos riscos é que um validador assuma o controle de mais de 51% das criptomoedas da rede. Com isso, ele poderia executar o chamado majority attack (ataque da maioria) e fraudar os blocos. De certa forma, este ataque é semelhante ao ataque de 51% visto na PoW.

Contudo, a mineração PoS possui seus mecanismos para combater fraudes. Caso haja uma transação fraudulenta, quem tentou burlar o algoritmo pode perder parte ou todo o seu capital investido. Outro prejuízo é que o validador pode perder o direito de participar da descoberta de novos blocos. Os critérios são definidos por cada rede.


Na mineração PoS, a maioria das redes define um montante mínimo superior ao valor da recompensa dos blocos. Com isso, a recompensa por uma fraude é muito baixa, enquanto o valor em risco é muito maior. Assim, o validador possui menos incentivos para buscar fraudar o sistema.

Outro aspecto de segurança é que a mineração PoS não depende dos pools de mineração. Como vimos, isso torna a rede mais descentralizada. Além disso, a PoS possui uma grande eficiência no uso de energia elétrica, pois dispensa a necessidade de máquinas com alto consumo. 

Junto a isso, novos algoritmos estão sendo desenvolvidos a cada dia. Isso faz com que o processo de mineração também evolua em termos de eficiência e segurança. Não é à toa que várias criptomoedas, como a Ether (ETH), estão migrando aos poucos para formas de mineração mais eficientes.

Considerações finais

O Proof of Stake e o staking abrem muitas possibilidades para qualquer usuário que deseja participar dos processos de obtenção de consenso e da governança de blockchains. Além disso, é uma maneira muito fácil de obter renda passiva na Binance através do simples armazenamento de moedas. Conforme o processo de staking fica mais fácil, as barreiras de entrada ao ecossistema blockchain ficam cada vez menores.Vale lembrar, porém, que a atividade de staking não é totalmente isenta de riscos. Bloquear fundos em um contrato inteligente é suscetível a erros e bugs, por isso é sempre importante pesquisar (DYOR, Do Your Own Research) e usar carteiras confiáveis e de qualidade, como a Trust Wallet. 


Deixe sua pergunta ou opinião

Ad Blocker Detected

Our website is made possible by displaying online advertisements to our visitors. Please consider supporting us by disabling your ad blocker.

Refresh